Quais adoçantes e/ou substitutos de açúcar a Sweetmix disponibiliza para alimentos e bebidas?

19.09.2020 | Por Sweetmix

O trabalho da Sweetmix está pautado na entrega de soluções aos clientes e dentro deste contexto surgem os sistemas de edulcorantes que através da sinergia entre estes aditivos alimentares, propõe soluções específicas para atender às necessidades de cada produto, seja para substituir totalmente o açúcar ou para a substituição parcial, sempre focando no melhor aproveitamento e equilíbrio do dulçor nas formulações.

Os sistemas de edulcorantes da Sweetmix são desenvolvidos por uma equipe de especialistas capacitados a formular otimizando os benefícios específicos de cada edulcorante a fim de obter as melhores performances quando aplicados no produto do cliente.

Seguem características específicas dos edulcorantes comercializados pela Sweetmix e presentes nos Sistemas de Edulcorantes:

 Acessulfame K:  

É o derivado potássico da síntese do éster de ácido terci-butil acetoacético e o isocianato fluorosulfonil. 

Por não deixar sabor residual desagradável é uma ótima opção para uso em bebidas, produtos lácteos, produtos cosméticos, produtos de higiene bucal, como pasta de dente e preparações vitamínicas e farmacêuticas, incluindo misturas líquidas, em pó e comprimidos.

O dulçor do acessulfame é rapidamente perceptível, mas não persistente, e é cerca de 200 vezes superior à do açúcar.

Possui a vantagem de permanecer estável durante armazenagem, apresentando desta forma vida útil prolongada, além de resistir aos processos de fabricação que utilizam pasteurização e esterilização.

Não oferece riscos à saúde, pois é não é metabolizado e rapidamente é excretado pelo organismo.

 

Aspartame:  

Assim como o acessulfame de potássio, o aspartame apresenta cerca de 200 vezes o poder de dulçor do açúcar. Apresenta sensação doce por mais tempo que o açúcar é desprovido de sabor residual amargo.

Apresenta, assim como muitos edulcorantes, a propriedade de potencializar o poder adoçante de outros edulcorantes.

Após discussões e polêmicas a respeito de sua inocuidade, órgãos oficiais e de referência, como FDA e EFSA, através de estudos admitem a segurança deste edulcorante.

Embora tenha a restrição de uso a portadores da PKU (Fenilcetonúria), devido à presença da fenilalanina em sua composição, ainda nos dias atuais o aspartame é uns dos principais edulcorantes consumidos no mundo, juntamente com ciclamato, acessulfame e sucralose, por ter larga aplicação em bebidas, confeitos, produtos nutricionais e produtos lácteos.

Estudos mostram projeção de crescimento do mercado entre os anos de 2019 a 2024 a uma taxa anual de 5,3%, devido às mudanças no estilo de vida da população com adoção de dietas mais saudáveis.

 

Sucralose:

Edulcorante não calórico obtido a partir do próprio açúcar, cerca de 600 vezes mais doce que o açúcar, apresenta excelente perfil sensorial, muito semelhante a do açúcar, porém com leve residual doce.

Este edulcorante artificial, com zero calorias, é utilizado em diversos alimentos e bebidas por ser estável em ampla faixa de pH, mesmo em pH baixo, e temperaturas elevadas de processos como esterilização, pasteurização, UHT e forneamento.

 

Estevia:

Estevia (Stevia) é um edulcorante natural  proveniente das folhas da planta Stevia rebaudiana, originária da fronteira entre Brasil e Paraguai, extraída de uma mistura de glicosídeos doces com poder edulcorante médio de 200 a 300 vezes superior ao do açúcar.

A indústria de ingredientes, ao longo dos últimos anos, vem aprimorando a tecnologia de extração da estevia, concentrando mais os glicosídeos de sabor agradável e excluindo os de sabor mais amargo e herbal.

 

Neotame:

É um adoçante não nutritivo, sintetizado a partir do Aspartame.

Possui poder de dulçor de 7000 a 13000 vezes superior ao açúcar e cerca de 30 a 60 vezes superior ao Aspartame, dependendo da matriz onde é aplicado.

Devido ao seu elevado poder de dulçor, a utilização do neotame se dá principalmente através dos sistemas de edulcorantes.

Possui um sabor agradável quando comparado ao aftertaste amargo e metálico de outros edulcorantes.

Mundialmente é bastante utilizado como realçador de sabor em aplicações de aromas de menta e morango.

É estável em produtos de panificação e produtos lácteos que sofrem processo de pasteurização.

Não necessita de rotulagem especial para advertir os fenilcetonúricos, pois sua degradação não libera a fenilalanina.

 

Sacarina:

Adoçante artificial de alta intensidade, cerca de 300 a 600 vezes mais doce que o açúcar, apresenta sabor residual amargo e metálico quando utilizada em doses significativas que podem ser mascarado quando empregados em sistemas de edulcorantes.

Muito utilizadas em bebidas, produtos alimentícios, adoçantes de mesa, produtos de higiene oral, como pasta de dente e enxaguante bucal.

Possui zero caloria, pois não é metabolizada pelo organismo humano.

 

Ciclamato de Sódio:

O ciclamato de sódio consiste em um pó cristalino branco, inodoro e termoestável e não deixa o sabor residual amargo.

É utilizado em bebidas, adoçantes de mesa e outros produtos alimentícios; é amplamente utilizado em misturas com outros edulcorantes, principalmente com sacarina.

O ciclamato é um edulcorante com poder adoçante cerca de 30 vezes maior que o do açúcar e possui elevada estabilidade térmica, à luz, ao ar e a um amplo intervalo de pH.

 

Eritritol:

O eritritol pertence a uma classe de compostos chamados álcoois de açúcar. Este poliol é obtido a partir da fermentação de hidrolisados enzimáticos de amido por leveduras.

Apresenta baixa higroscopicidade, se mantendo estável em umidade relativa de até 90%, além de possuir estabilidade térmica e resistir à decomposição em meios ácidos e alcalinos.

Possui baixo valor energético, apenas 0,2 kcal/g, e apresenta sabor doce equivalente a 60-80% da sacarose. Seu efeito laxativo é o menor entre todos os polióis.